Investimentos em CT&I

PitchBook Research: o impacto das patentes em startups

27 de fevereiro de 2023

Quando falamos de Propriedade Intelectual, as patentes podem ser apresentadas como um indicador de valor para os investidores, principalmente aos de Venture Capital, para mitigar decisões de alto risco. De acordo com o relatório do PitchBook “Introducing PitchBook Patent Research”, as startups que buscam patente angariam mais capital do que aquelas que não buscam, sendo cerca de 58% do VC para startups com patentes ou com pedidos de patentes. Dessa forma, o capital está concentrado na fase final e na fase de crescimento do empreendimento, onde 63,2% e 80,4% do capital foram para empresas de patentes, respectivamente.

Segundo o relatório, startups com patentes levantam mais capital do que aquelas que não possuem patentes. Os aumentos de capital em empresas com patentes aumentam à medida que as startups passam das etapas de anjos e sementes para a etapa final e o crescimento do empreendimento. De 2011 a 2020, 80,4% do capital levantado anualmente pelas empresas de Crescimento de Risco (Venture Growth) foram para startups com patentes. O comparativo para startups em estágio final foi de 63,2%; para startups em estágio inicial, 42,6%; e para anjo e sementes, 25%.

Entre 2011 e 2020, o número de negociações para startups com patente foi de 40% a 60% maior do que o de startups sem patente em um determinado ano. O tamanho de negociações para startups com patente é em média 45,4% maior para anjo, 51,5% maior para as sementes, 73,2% maior para a fase inicial, 71,2% maior para a fase final e 46,0% maior para o crescimento do empreendimento.

Outra medição feita pelo relatório foi a valorização dos empreendimentos. Destaca-se que as empresas com patentes aumentam o capital com valorizações mais elevadas do que empresas sem patentes. Os negócios com startups anjos mostram a maior diferença, com a média anual 93,2% maior, e os negócios em estágio final registram o segundo mais alto, o valor médio anual sendo 51,2% maior. Os negócios de Venture Growth (Crescimento de risco), por conseguinte, veem uma deterioração na valorização excessiva por patente empresas, podendo acontecer devido ao fato de empresas com esta maturidade terem relativamente mais informações com as quais tomar decisões de avaliação.

Desde a fase de semente até a fase final, avaliações para empresas a procura de patentes eram consistentemente mais altas do que as que não procuravam patentes de empresas entre 2011 e 2020. Na diferença da média anual, as avaliações aumentam de 17,0% na fase de semente, para 30,0% na fase inicial, e a 51,2% no estágio tardio. Entre 2011 e 2022, as empresas que buscam patentes responderam por 78,6% do valor de saída do VC, mas apenas 21,4% das saídas do VC foram contabilizadas. As empresas que buscam patentes, entretanto, possuem uma taxa superior a cinco vezes maior do que as empresas que não buscam patentes (23,2% contra 4,0%).

Para as saídas de aquisição, o valor médio de saída para as empresas com patentes é 154,9% maior do que para as empresas sem patentes, sendo, em média, 48,2% maior para as empresas públicas. As startups com patente representam 76,8% do valor total de saída do Venture Capital de 2011 a 2022, mas representam apenas 23,2% do total de saída na contagem de VC. Conclui-se que, de acordo com os dados analisados pelo PitchBook, os fatores sugerem que existe, de fato, lucro para os investidores que colocam dinheiro em startups que buscam patentes.

 

Você já viu os projetos de pesquisa e as startups relacionadas a Investimentos de CT&I que estão cadastradas no InvestMCTI ?


Fonte: 

https://pitchbook.com/news/reports/q1-2023-pitchbook-analyst-note-introducing-pitchbook-patent-research